Retornando ao nosso assunto da semana passada, os benefícios da pet terapia para cada tipo de dificuldade continuam…

Nas Crianças: diversos problemas infantis podem ser melhorados com o convívio com animais. Um exemplo é a melhora do quadro de portadores de autismo. “Elas têm muita dificuldade no contato social e a simples presença de um animal treinado associada a atividades adequadas para eles auxiliam nesse desenvolvimento”. Estudos mostram que as crianças autistas apresentam diminuição nos comportamentos negativos, como agressividade, alienação, isolamento, entre outros com a presença de cães nas sessões, por exemplo, e até em suas casas.

Hiperativos também encontram benefícios com essa terapia. “O bicho pode deixar a criança mais calma, eu mesmo trabalho com uma que até diminuiu a dose do remédio”.

Benefícios para os idosos: os animais são usados principalmente em idosos que apresentam o mal de Alzheimer, mas não existem ainda muitas pesquisas corroborando essa relação. Entre os benefícios estão à melhora do humor, relaxamento e diminuição da agressividade e do estresse, proporcionados pela doença.

O contato é muito benéfico para pessoas mais velhas em geral. “Eles podem estar estressados, revoltados, mas quando se tem o contato com o animal, começam a contar a vida, falar de seus problemas e melhoram”. A longo prazo, atividades e terapias com animais podem ajudar em sintomas depressivos, aumentar a socialização de alguns idosos e ate incentivar a adesão a outras terapias.

VEJA OUTROS ARTIGOS DA PSICÓLOGA DANIELA MENICALLI:

A FIDELIDADE DOS ANIMAIS, NA ALEGRIA E TAMBÉM NA TRISTEZA

DEPRESSÃO: ADULTOS, ADOLESCENTES E CRIANÇAS PODEM TER SINTOMAS

QUAIS AS CAUSAS DA ANSIEDADE E DO PÂNICO? COMO SUPERÁ-LAS?

SERÁ QUE VOCÊ ESTÁ SOFRENDO DE SÍNDROME DE BURNOUT?

A ANOREXIA E A BULIMIA NERVOSA, PROBLEMAS DA NOSSA SOCIEDADE

Tratamento contra o câncer: o tratamento do câncer, principalmente quando envolve radioterapia ou quimioterapia, resulta em muitos efeitos colaterais e desgastes para os pacientes. Nesses casos, há uma grande melhora terapêutica no convívio com animais, com uma série de benefícios. “Dentre eles podemos citar a maior interação com os profissionais envolvidos no tratamento, alívio da dor e desconforto, redução da ansiedade e de sintomas depressivos, diminuição da sensação de solidão ocasionada pelo tratamento, entre outros”…

Tratamento de doenças cardíacas: há uma literatura médica extensa sobre a relação entre animais e o tratamento de doenças cardíacas. Uma pesquisa realizada pela Baker Medical Research Institute comprovou que proprietários de cães e gatos apresentam taxas menores de colesterol e triglicérides que aqueles que não tinham animais. Ambas as taxas favorecem a aterosclerose, formação de placas que entopem as artérias, possibilitando infartos e outros problemas no coração. Além disso, ter um animal de estimação faz com que pacientes com maiores riscos de problemas cardiovasculares, por apresentarem fatores de risco como fumo e excesso de peso, melhoram seus hábitos ao possuírem um animal de estimação.

“Já existe um vínculo formado entre o animal de estimação e seu dono. Há de se pensar na empatia estabelecida entre ambos, o que reforça aspectos psicológicos positivos nesta interação, pois envolve emoções, lembranças”, acredita a psicóloga Fabiana Oliveira, do Ateac.

Reduz o estresse: é comprovado que o contato com os animais ajuda a liberar diversos hormônios do bem: endorfinas betas, prolactina e oxitocina. Eles todos atuam regulando as taxas de cortisol, hormônio relacionado ao estado de alerta, o que reduz o estresse. A psicóloga Laís Milani, da Inataa, relembra outros benefícios: “Estudos indicam que a interação homem-animal traz uma sensação de bem-estar e conforto, resultando na diminuição dos níveis de adrenalina, relacionado ao aumento da pressão arterial”. Além disso, essa convivência libera outro hormônio, a acetilcolina, que está relacionada ao estado de tranquilidade, diminuição da pressão arterial, frequência cardíaca e respiratória, todos os sintomas do estresse.

Melhora o quadro de depressão: é um consenso entre os especialistas que estar com um animal de estimação aumenta a autoestima, senso de valor próprio, o estabelecimento de hábitos positivos e o interesse pelo outro. Tudo isso pode beneficiar pacientes depressivos, que apresentam problemas nessas áreas. “Estudos verificaram um aumento da produção e liberação da serotonina e dopamina, hormônios responsáveis pela sensação de prazer e alegria, após 15 a 20 minutos de interação com o cão”, reitera a psicóloga Cristiane Blanco.

LEIA TAMBÉM:

A ANOREXIA E A BULIMIA NERVOSA, PROBLEMAS DA NOSSA SOCIEDADE

GENIALIDADE

SINTOMAS E SINAIS DOS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

SAIBA O QUE É MUTISMO SELETIVO

CRIANÇAS AGITADAS E CRIANÇAS COM TDHA

Ajuda no tratamento de paralisias: a pet terapia pode ajudar na reabilitação de pacientes de um derrame cerebral, vítimas de acidentes ou portadores de paralisia cerebral, entre outros quadros que envolvem a paralisia. São casos que envolvem muita fisioterapia e também uma queda de autoestima dos pacientes, portanto a interação com os bichos pode ser fundamental para evoluir a parte motora e também atuar no aspecto emocional do paciente. ?As crianças com paralisia cerebral se beneficiam demais, principalmente nos aspectos cognitivos, motores e emocionais, relata Paula Lopes, neuropsicóloga da Abrahipe. Os cães, por exemplo, podem ser usados durante os exercícios inclusive, o que tira o foco do tratamento para a doença, e o torna uma brincadeira, mesmo para o adulto.